Educação Infantil

Base teórico-filosóficas que orienta as ações pedagógicas

A criança, como todo ser humano, é um sujeito social e histórico, pertence a uma família que está inserida em uma sociedade, com uma determinada cultura, em um determinado momento histórico. É profundamente marcada pelo meio social em que se desenvolve, mas também o marca, o que lhe confere a condição de ser humano único.

A linguagem, fruto da prática social participa do aparecimento da consciência ao humano. Com essa convivência, a criança começa a perceber o significado dado as suas ações, e sua inteligência se forma pela apreensão desses significados. Todas as funções psíquicas superiores – a linguagem, memória, abstração, generalização, atenção, percepção, etc. são transformadas em símbolos e expressão via linguagem pelo adulto.

Nesta perspectiva, observamos que o processo de aquisição, da capacidade de pensar se dá, principalmente, no plano externo, ou seja, no contato da criança com os outros sujeitos e o meio que lhes é comum. Nesse plano externo, os significados são partilhados através das formas de mediações simbólicas, como a fala, os gestos, os sinais, etc. Num segundo momento esses significados são internalizados, ou seja, passam a construir a própria consciência da criança, e configuram o funcionamento desta consciência no plano interno.

Ao internalizar os conteúdos sociais, a criança modifica as novas informações que está recebendo de acordo com as estratégias e conhecimentos já adquiridos por ela e de acordo, ainda, com as experiências já realizadas no meio social e estratégias usadas pelo outro – educador – para intervir nesse processo de aprendizagem.

Assim, o plano interno não é cópia do plano externo, mas a representação que o sujeito consegue fazer, a partir do processo descrito.

Neste sentido, o processo de aprendizagem compreende três momentos:

. Socialização e individualização – onde o educando interage com o outro sujeito e o objeto do conhecimento.

. Interpreta, reelabora e internaliza esse objeto.

. Relaciona-se com o mundo exterior, com sua consciência já modificada pela aquisição de mais conhecimento.

Esse conteúdo que o educando internaliza é o conjunto de todas as relações sociais que os homens produzem na época que a criança vive. A criança aprende a relacionar-se com esses elementos, sobretudo, relacionando-se com outras pessoas que, por sua vez, fazem uso desses objetos e os conceituam.